Srila Prabhupada Único Paradigma 1: Evidência



Srila Prabhupada Único Paradigma 1: Evidência 


Por Krishna Kant


As conclusões que chegaremos irão depender sobre que afirmações nós aceitemos como evidência da autoridade.


Unicamente Srila Prabhupada


O IRM segue a máxima a qual unicamente as ordens vindas diretamente de Srila Prabhupada são relevantes em determinar como ISKCON deve ser conduzida.
Realmente, o Corpo Governamental Comissionado (GBC) de ISKCON foi criado especificamente com este mandato:
" O GBC aceita  como sua vida e alma Suas divinas instruções e reconhece que é completamente dependente de Sua misericórdia em todos os aspectos. O GBC não têm outra função ou outro propósito que executar as instruções tão bondosamente dadas por sua Divina Graça e preservar e espalhar seus Ensinamentos por todo o o mundo em sua forma pura"  (Definição de GBC,primeira resolução do GBC,1975)


Contudo, como iremos mostrar agora, isso não tem parado o GBC e outros de se desviar dessa máxima fundamental em varias maneiras.


Nenhuma evidência necessária


Muitos são os pilares da farsa do guru que são baseados sobre a distribuição simples, dispensando  a necessidade da autoridade de Srila Prabhupada completamente. Por exemplo se afirma:


  •  " O guru deve estar vivo"
  •  " Ritvik é errado porque isto nunca tem acontecido antes." 
Porém, Srila Prabhupada nunca afirmou que o guru deve estar "vivo" no sentido de presença física (antes ele diz que o guru é sempre vivo), ou que ele nunca irá emitir ordens sem precedentes. Ao contrário, semelhantes afirmações são feitas simplesmente assumindo que isto é " obvio", elas são corretas.  Alguém pode afirmar qualquer número de alegações e suposições , porém unicamente  a afirmação correta de Srila Prabhupada irá fazer dela verdadeira. 


Fora de Srila Prabhupada


Fontes  que  estão além de Srila Prabhupada também são colocadas para fomentar uma evidência. Um exemplo é "pular sobre" Srila Prabhupada e tentar consultar diretamente acharyas prévios (mais detalhes no próximo artigo). Ou alguém irá simplesmente consultar outras sampradayas, outras organizações, ou "devotos elevados", para tentar ganhar suporte em algumas conclusões as quais não são dadas por Srila Prabhupada. O GBC tem confiado em todas essas diferentes variantes em momentos diferentes. Porém, se  numa conclusão particular que foi realmente suportada por Srila Prabhupada, alguém pode simplesmente citar Srila Prabhupada, que seria isso. Isto é unicamente se alguém é incapaz de encontrar uma evidência de Srila Prabhupada suportando uma conclusão particular, isto levará alguém a procurar olhar fora das palavras de Srila Prabhupada.
Algumas vezes o principio de "guru, sadhu e sastra" é invocado como uma desculpa para tentar ir fora das palavras de Srila Prabhupada. Porém fazer isto é sem sentido , já que os três , guru , sadhu e sastra , estão sempre alinhados, e , portanto, alguém não necessita verificar independentemente as afirmações de Srila Prabhupada com alguma outra fonte:
" Sadhu, sastra e guru. Guru significa quem segue o sastra e o sadhu. Então existem três, são a mesma coisa" Srila Prabhupada Leitura , 30/11/1976)
Assim, não existe nenhuma necessidade de citar diretamente alguma outra fonte exceto Srila Prabhupada para estabelecer uma conclusão em relação ao que Srila Prabhupada ordenou.


"Prabhupada diz"


Em ordem para verificar que uma afirmação realmente venha de Srila Prabhupada, precisa ter disponível como fonte primaria, seus escritos de principio ao fim ou as fitas gravadas diretamente, ou filme. Contudo, o GBC rotineiramente se baseia sobre algum "testemunho" que secundariamente bem afirmado de "Prabhupada diz", daqueles que clamam que Srila Prabhupada falou a eles alguma coisa.
Por exemplo , na posição do GBC escrita no livro Prabhupada ordena, nós encontramos as seguintes afirmações apresentadas como parte de uma lista de "citações de Srila Prabhupada."
"Cada um de vocês podem ser gurus", ele diz. " Eu tenho 5000 discípulos ou 10.000, se vocês têm dez mil por cada. Desta forma, se criam galhos e galhos da arvore de Chaitanya. ( Encontro do GBC em Mayapur 1976)"


Porém uma investigação mas a fundo revela que afirmação citada acima não vem realmente diretamente  de Srila Prabhupada em 1976, porém ela vem do diário pessoal de um GBC apologista, Hari Sauri Das, publicada em 1992. De fato, estes semelhantes "Prabhupada diz"  são abundantes mesmo quando Prabhupada estava no planeta, Srila Prabhupada publicou instruções como as seguintes:
"... assim como em nossa ISKCON existem muitas coisas falsas: "Srila Prabhupada diz isto, Prabhupada diz aquilo" (Carta de Prabhupada,7/11/1972)
" Eles me interpretam mal. Se não vem de mim por escrito, existe muitas coisas como " Prabhupada diz.""
(Carta de Srila Prabhupada, 2/09/1975) 
Portanto, para se certificar que uma ordem vem realmente de Srila Prabhupada, nós podemos confiar unicamente sobre a evidência a qual se pode autenticar diretamente vindo de Srila Prabhupada.


Deturpação


Finalmente, mesmo qualquer um que chegue à fase de aceitar unicamente as ordens de Srila Prabhupada  verificando as ordens que constituem a evidência, isto se torna deturpado se alguém deliberadamente clama "Srila Prabhupada diz" algo o qual ele nunca diz! Por exemplo , no livro do GBC "Discípulo de meu discípulo", eles citam a seguinte mudança da conversa no quarto de 28 de Maio de
1977.
Satsvarupa: " Então eles podem ser também considerados seus discípulos."
Prabhupada: " Sim, eles são discípulos. Por que considerar? Quem ?"
E eles dizem , em relação a esta mudança acima:
"Satsvarupa Maharaja agora sugere  a possibilidade de um representante para iniciação. Srila Prabhupada pode dizer sim, porém ele diz não."(Discípulo de Meu Discípulo, GBC)
Portanto Srila Prabhupada claramente diz "sim" ( texto em negrito sublinhado), e o GBC finge  que ele diz não! Outro exemplo de deturpação é dizer que Srila Prabhupada repete a ordem do Senhor Caitanya "seja um guru" se referindo ao diksa guru, por simplesmente ignorar que Srila Prabhupada acompanhou a citação com esta ordem que  " é melhor não aceitar nenhum discípulo" ( Sri Caitanya Caritamrita, Madhya Lila, 7:128-130, significado)


Conclusão


Se nós voltamos para o mundo aonde:
a) Unicamente as ordens gravadas diretamente de Prabhupada contam
b) Todos dizem que se têm que voltar diretamente a Prabhupada por suas ordens diretas gravadas.
c) Nós aceitamos o significado direto das palavras de Srila Prabhupada, sem nenhuma mudança ou omissão.
Então todo se torna simples , claro e fácil de seguir. Certamente, alguém que lê as publicações do IRM irá ver que nós desmontamos todos os papeis refutando, simplesmente por seguir essas três simples técnicas. E se aplicando essas três técnicas  nos leva seguramente a conclusões indiscutíveis ,tais como:
1) Srila Prabhupada é o diksa guru de ISKCON.
2) Srila Prabhupada ordenou que aqueles que se juntem a ISKCON iriam a ser iniciados por ele por meio do uso de ritviks( Sacerdotes oficiantes).
3) Não existe ordem de Srila Prabhupada  que levará 1) a  2) mudança.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ISKCON Pandemônio

El Mono Empalado 11