DE VOLTA A PRABHUPADA


Perguntas freqüentes sobre

Movimento de Renascimento da ISKCON (IRM)

1. O que é o IRM?

O IRM é um corpo composto de devotos da ISKCON ao redor de todo o mundo que querem ver a Sociedade colocada no caminho certo, de acordo com as diretrizes do seu fundador, Srila Prabhupada.


2. Por que existe o IRM?

A pureza original e o prestigio geral da ISKCON experimentou uma maciça deterioração desde a partida física do seu fundado no dia 14 de novembro de 1977. Srila Prabhupada sozinho estabeleceu a ISKCON em 1966 como um grande presente para o mundo, e ao partir ele deixou-a como uma força dinâmica, um farol de luz para a humanidade. Tristemente, hoje ela está se desintegrando - um fato admitido numa nota enviada em maio de 2000 pelo então presidente do GBC, Ravindra Svarupa Das:

Portanto a questão permanece: o que, então, iremos fazer? Como iremos lidar com nossa Sociedade polarizada e desintegrante?”

Este declínio pode ser remontado aos vários desvios das instruções e padrões dados por Srila Prabhupada, dentre os quais o principal é tê-lo destituído do posto de único Diksa-guru da ISKCON. O Movimento de Renascimento da ISKCON procura restaurar a ISKCON à sua glória, pureza e castidade filosófica anterior através da reinstituição de todas as instruções e padrões que Srila Prabhupada deu, iniciando com o seu papel de única autoridade e Diksa-guru na ISKCON. A posição do IRM está estabelecida nos textos ‘The Final Order(A Ordem Final) e ‘No Change in ISKCON Paradigm’ (Não há modificações no paradigma da ISKCON). Ambos os textos estão disponíveis também no website:www.iskconirm.com


3. O IRM é separado da ISKCON?

Ele é um Movimento dentro do Movimento, composto por membros da ISKCON que querem reformar e reviver a Sociedade.


4. A meta do IRM é formar um novo movimento?

Não. É de restabelecer a ISKCON original que Srila Prabhupada nos deixou. Portanto, tão logo isto seja alcançado, o IRM será dissolvido.


5. Que diferença faria a restauração de Srila Prabhupada como o único Diksa-guru?

Primeiramente, é o mais básico axioma da vida espiritual, que nós podemos avançar somente quando seguimos de forma apropriada às ordens do guru. Se o guru pede leite e nós trazemos água, como Ele poderá ser agradado? E se o guru não é agradado, como então poderemos nos aproximar de Krishna?

Por cerca de três décadas a ISKCON não está fazendo o que Srila Prabhupada ordenou. Uma vez que Srila Prabhupada abandonou o planeta fisicamente, nós não permitimos que ele iniciasse mesmo uma pessoa via Ritvik, ou sistema de representantes. Este é o único sistema de iniciação que Ele autorizou para dar continuidade dentro da Sociedade. Se os membros da ISKCON começarem mais uma vez a seguir as suas ordens, então naturalmente eles irão agradar o Senhor Krishna, e todo o progresso espiritual seguirá naturalmente. E também, se todos tiverem a mesma relação direta como discípulos de Srila Prabhupada, o faccionalismo será eliminado. Pela primeira vez em quase trinta anos haverá união em espírito de equipe, com todos trabalhando pela mesma meta – o serviço e glorificação de Srila Prabhupada e Sri Krishna. Muitos “gurus” da ISKCON têm sido vítimas de grosseiras atividades pecaminosas; e quando eles deixam a Sociedade, levam consigo centenas de milhares de dólares e muito dos seus seguidores. Esta contínua perda de propriedades, fé e pessoal será eliminada uma vez que a fé seja colocada apenas em Srila Prabhupada, e não em substitutos falíveis. O dinheiro sugado de seus discípulos pelos 80 “gurus” na forma de daksina (doação em dinheiro) irá para os templos, fazendo-os saudáveis e fortes.


6. Como pode o IRM estar certo de que a sua posição é correta e que a do GBC não?

O IRM considera a sua posição correta uma vez que está baseada em documentos legais assinados que foram dirigidos a todo o Movimento. Por outro lado, o GBC já apresentou pelo menos três posições oficiais contraditórias (nenhuma das quais têm o suporte de documentos legais), e assim não possue tecnicamente uma posição, o que dizer de uma posição correta. Devemos assinalar que não apenas estes vários fatores se contradizem uns aos outros, mas eventualmente também contradizem a si mesmos. Por exemplo, se nós tomarmos a simples pergunta sobre quando Srila Prabhupada autorizou a sua substituição como Diksa-guru para a ISKCON, nós encontramos as seguintes respostas oficiais do GBC:


a) On My Order Understood (‘Sob Minha Ordem Compreendido', GBC, 1995): Srila Prabhupada deu a ordem para os gurus ao mesmo tempo que a ordem que os devotos deveriam atuar em seu nome, e isso ocorreu no dia 7 de julho de 1977 (pg. 28, em ‘Gurus and Initiation in ISKCON’ (Gurus e Iniciação na ISKCON, GBC, 1995);
b) Disciple Of My Disciple ('Discípulo de Meu Discípulo', S. S. Umapati Swami, 1997): onze diksa-gurus foram indicados e preparados no dia 28 de maio de 1977, uma vez que “Ritvik” quer dizer “oficiante Acarya”, que significa “diksa-guru”.
c) Prabhupada’s Order ('A Ordem de Prabhupada', Badrinarayan das, 1998): no dia 9 de julho de 1977, os onze estavam plenamente atuando como gurus, mas simplesmente observando a etiqueta na presença de Srila Prabhupada.


Comentários

  1. acho q se queremos agradar a Srila Prabhupada devemos fazer nossa parte, realizar algum projecto de vida e oferecer ao Jagad Guru o processo é individual é muito fácil criticarmos quem está na liderança. Krishna já ensinou no B:G q é muito melhor fazermos nosso dever mesmo q imperfeitamente do q fazermos o dos outros perfeitamente. acredito q haja muitos bons Gurus na Iskcon q não andam por aí atrás de fama adoração e distinção, são almas sinceras e estão no lugar q merecem quanto aos fundamentalistas e radicais não devemos nos preocupar Krishna cuida também deles.
    P q perdermos tempo com argumentações isto é bom p quem quer seguir uma carreira de Direito.

    Vosso servo na missão Purushottama das (Portugal)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

"To do things hastily and incorrectly is not good. Anything valuable takes a little time to come into existence. Therefore there is no harm in waiting for the best thing. But everything is well that ends well: That should be the principle."
Prabhupada Letters :: 1969.
.............................................................................
"Hacer las cosas de afán y mal no es bueno. Algo valioso toma un poco de tiempo para llegar a existir. Por lo tanto no hay daño en esperar lo mejor. Pero si algo va bien termina bien. Ese debe ser el principio".
Cartas de Prabhupada :: 1969.

Postagens mais visitadas deste blog

ISKCON Pandemônio

El Mono Empalado 11